jueves, 17 de noviembre de 2011

Renovar a teoria crítica e Reinventar a emancipação social


http://www.movimiento.org/group/8voencuentroanualrsdbahiabrasil/forum/topics/epistemologia-del-sur?commentId=2358986%3AComment%3A58867&groupId=2358986%3AGroup%3A54999 (verR SEGUNDO ENLACE)


BBoaventura de Sousa Santos é um cientista social português, doutor em sociologia do direito, professor na Universidade de Coimbra e um dos idealizadores do Fórum Social Mundial.

A emancipação social é um conceito central na modernidade ocidental e está organizada por meio de uma tensão entre regulação e emancipação, entre experiências muitas vezes desiguais ou opressoras e a expectativa de uma vida melhor.

A discrepância entre experiência e expectativa está invertida: as expectativas para a grande maioria da população não são mais positivas que as experiências correntes.

(20 anos atrás qdo os jornais diziam “reforma na saúde” era para melhor. Hoje qdo vemos essa notícia possivelmente a reforma será para pior).

Os instrumentos que regulam a discrepância entre expectativa e experiência, entre regulação e emancipação estão hoje em crise. Isso dá ao nosso tempo um caráter de transição. Nesse sentido é necessário reinventar a emancipação social.

As grandes teorias das ciências sociais foram produzidas em 3 ou 4 países do norte e, não se ajustam as realidades sociais do sul. E, as grandes organizações e instituições internacionais olham o mundo a partir dessas teorias e reproduzem as desigualdades entre norte e sul.

Boaventura reuniu cientistas sociais do sul (países periféricos e semi periféricos do sistema mundial) p/ permitir uma organização fora dos centros hegemônicos p/ realizar um projeto que se chamou “Reinventar a emancipação social do sul”. O projeto reuniu 6 países, Portugal, Colombia, Brasil, África do Sul, Moçambique e Índia com cerca de 70 pesquisadores sociais. O projeto tentou ver quais as contradições mais persistentes entre o norte e o sul.

O 1º tema foi a democracia, o 2º a produção não capitalista, economia solidária, economia popular, etc., o 3º multiculturalismo, diversidade cultural, cidadania cultural, etc., o 4º conhecimentos rivais ou seja a negação da validade ou mesmo da existência dos conhecimentos alternativos aos conhecimentos científicos ( = conhecimentos populares, indígenas, etc), o 5º internacionalismo operário, estão emergindo muitas iniciativas sul/sul de articulação.

A dificuldade de desenvolver um projeto como esse é a grande dependência que temos de autores dos centros hegemônicos, portanto sem foco para nossa realidade e,as diferenças culturais. Por ex., na Índia a sociologia convive com o hinduísmo como aqui convivemos com pressupostos da cultura ocidental e na África com culturas africanas. Não há, no sul, grandes teorias comuns, há um contato cultura de produção de ciência. Isso é importante já que a ciência é independente da cultura.

Isso mostrou as diferentes maneiras, nesses países, de entender a sociologia, a sociedade e o mundo. Então, Boaventura começa a refletir sobre o desperdício das experiências porque ocorrem em lugares fora do centro hegemônico. O desafio passa a ser o de reinventar as ciências sociais. Com efeito, não é um problema das ciências sociais mas de uma racionalidade subjacente a ela, a racionalidade que domina o norte e sua grande influência. A essa racionalidade chamou de razão indolente ou preguiçosa. Racionalidade que se considera única, que não se exercita o suficiente, que tem um conceito restrito de totalidade. Tem uma visão de presente dicotômica e hierárquica e por isso não consegue pensar para fora das totalidades. Por ex. é pensar no sul sem a relação com o norte, na mulher não em relação com o homem, no empregado sem o patrão. Para combater essa razão propõe utilizar a sociologia das ausências.

Seria um procedimento para tentar mostrar que o que não existe é produzido ativamente como não-existente, como alternativa não-crível.

Apresenta maneiras: combater a idéia de que o único saber que tem rigor é o saber científico e outros saberes não tem validade. Chama a isso monocultura do saber que cria inexistências através da ignorância.

A 2ª idéia é debater o que chama de monocultura do tempo linear que é a idéia de uma direção na qual os países desenvolvidos estão na dianteira porque são mais progressistas do que o que existe nos países subdesenvolvidos. É a idéia de um tempo linear no qual os mais avançados estão na dianteira e os países assimétricos com o tempo dos países desenvolvidos são considerados atrasados.

A 3ª monocultura é a de naturalização das diferenças. Aqui a hierarquia não é a causa das diferenças mas sua conseqüência, porque os que são inferiores nessas classificações o são “por natureza” e por isso a hierarquia é uma conseqüência de sua inferioridade (classificação racial, étnica, sexual, etc.). É não saber pensar diferenças com igualdade e isso desqualifica tornando inferior.

A 4ª monocultura é a dominante. Na tradição ocidental primeiro foi o universalismo e agora a globalização. Aqui a realidade local não tem dignidade como alternativa consistente a uma realidade global que é hegemônica.

A última monocultura é a do produtivismo capitalista. A idéia de que o crescimento econômico e a produtividade mensurada em um ciclo de produção, determina a produtividade humana ou da natureza. Por ex. para os camponeses ou indígenas a produtividade da terra não é definida em um único ciclo de produção mas em vários.

Quando nasceram os produtos químicos na agricultura, a terra passou a ser produtiva em um ciclo de produção, porque os fertilizantes mudaram o conceito de produtividade da natureza e tudo o que não é produtivo nesse contexto é considerado improdutivo. Assim se produz ausência com “improdutividade”.

Se quisermos inverter essa lógica por meio da sociologia das ausências temos que fazer que está ausente esteja presente. Que experiências que existem mas são invisíveis estejam disponíveis. A maneira como procede a sociologia das ausências é substituir as monoculturas em ecologias. Boaventura propõe 5 ecologias.

Ecologia dos Saberes. Não se trata descredibilizar as ciências, não é anti-ciência e sim fazer um uso contra-hegemônico. E a ciência entra como parte da ecologia mais ampla de saberes e o saber científico e do norte possam dialogar com o saber laico, popular, indígena, urbano marginal, etc. O importante não é ver como o conhecimento representa o real, mas conhecer o que determinado conhecimento produz na realidade. Qual tipo de intervenção um dado saber produz.

O melhor conhecimento para levar o homem a lua é cientifico ao mesmo tempo que para preservar a biodiversidade, o melhor caminho é o indígena (não por acaso 80% da biodiversidade se encontra em territórios indígenas).

A 2ª é a Sociologia das Temporalidades. Há um tempo linear assim como outros tempos. É preciso deixar que cada forma de sociabilidade tenha sua própria temporalidade. O camponês africano ou latino americano pode se encontrar com o executivo do Banco Mundial: isso é considerado um encontro simultâneo mas não contemporâneo porque o camponês é local e o executivo global. O importante aqui é reconhecer que o camponês é, a sua maneira, contemporâneo e eliminar o conceito de residualidade.

A 3ª é a Ecologia do Reconhecimento. Trata-se de descolonizar nossas mentes e aceitar as diferenças que restam depois que as hierarquias forem descartadas ou problematizadas. Ver o que não está conectado com hierarquia.

A 4ª é a Ecologia da Transescala. É a possibilidade de articular as escalas locais, nacionais e globais.

E finalmente a Ecologia das Produtividades. Consiste na recuperação e valorização dos sistemas alternativos de produção, das organizações econômicas populares, das empresas autogestionadas, da economia solidária, etc.

As ecologias vão permitir dilatar o presente com muitas experiências que nos são relevantes. Substituir um infinito que é hegemônico e vazio, como dizia Walter Benjamin, por um futuro concreto, de utopias realistas, suficientemente utópicas para desafiar a realidade que existe, mas realistas para não serem descartadas facilmente.

A crítica à razão que já sabe qual é o futuro baseado no progresso, no desenvolvimento e no crescimento econômico é feita pela Sociologia das Emergências. É tentar ver os sinais e latências, possibilidades que existem no presente e que são sinais de futuro, que são possibilidades emergentes e que são descredibilizadas porque são embrionárias.

É não trabalhar somente com indicadores e também com sinais de futuro. É um exercício de ampliação simbólica de uma ação coletiva, por ex. Sem romantismo é tornar presente experiências produzidas como ausentes. Significa produzir possíveis que já existem como emergência. Não se trata de abstração, trata-se de considerar iniciativas que já estão acontecendo concretamente.

O problema é que a sociologia das ausências e a sociologia das emergências vão fazer emergir uma enorme quantidade de realidades. Vamos nos confrontar com uma realidade mais rica, como também mais fragmentada e mais caótica. Como encontrar sentido em tudo isso? Uma resposta simples seria: vamos criar a teoria geral de todas essas experiências. E isso não é possível e nem desejável, mas precisamos de uma teoria sobre a impossibilidade de uma teoria geral. É a criação de uma outra maneira de entender, outra maneira de articular conhecimentos e práticas e sujeitos coletivos. É necessário criar inteligibilidade recíproca no interior da pluralidade. A proposta de Boaventura é um procedimento de tradução.

A tradução é um processo intercultural, intersocial. É a busca da inteligibilidade sem canibalização, sem homogeneização. Ver o que há de comum entre movimentos, onde estão as semelhanças. Esse é o princípio fundamental da Epistemologia do Sul, que se baseia na idéia central de que não há justiça social global sem justiça cognitiva global, ou seja, sem justiça entre os conhecimentos. É preciso uma nova forma de relacionar conhecimentos e o que ele propõe é a tradução, examinando relatividade e incompletude. É tradução recíproca. É um exercício de imaginação epistemológica e democrática.

Resumo do cap. A Sociologia das Ausências e a Sociologia das Emergências para uma Ecologia dos Saberes do livro Renovar a Teoria Crítica e Reinventar a Emancipação Social de Boaventura de Sousa Santos

Por uma geografia das redes de Milton Santos. Geógrafo baiano que estudou o desenvolvimento urbano nos países subdesenvolvidos. Fez uma abordagem crítica pioneira ao processo de globalização atual. Inovou o conceito de espaço ao falar da força do lugar por sua dimensão humana. Assim como Boaventura, crê no papel dos países subdesenvolvidos para uma mudança histórica.

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada

ciencia global al cuadrado...